Carteira de ações: Como Investir em Ações com Pouco Dinheiro?

Como Investir em Ações com Pouco Dinheiro

Muitas pessoas se questionam se é possível investir em ações com pouco dinheiro. Em contexto geral, o que a realidade mostra é que somente quem tem dinheiro é que pode investir.

No entanto, na pratica as coisas não funcionam assim, e saiba que tem muita gente que sabe como investir em ações, pois passam o dia estudando as carteiras mais rentáveis para aplicar seu dinheiro.

Uma pesquisa na internet mostra qual é a carteira de ações mais rentável de 2020 e pode mostrar até as mais antigas. Entretanto, será que essa é realmente a chave para que você possa iniciar os seus investimentos?

O foco é outro e trata-se de oferecer “ferramentas” para que você consiga montar a sua carteira de ações. Dessa forma, veja abaixo cada uma delas e inicie a sua trajetória de investidor em ações.

Como montar uma carteira de ações entre as mais rentáveis com pouco dinheiro?

Mostrar quais são as carteiras de ações mais rentáveis deixam o texto com prazo de validade, porém essa não é a proposta. Sendo assim, confira a seguir 10 dicas de como investir em ações com pouco dinheiro. 

 

O Mito de ser impossível começar com pouco dinheiro

Em primeiro lugar, é necessário entender um ponto: começar com pouco dinheiro é um caminho viável. Nesse cenário, existem muitos títulos de renda fixa público e privados, que permitem que você comece a investir.

No mercado de renda variável, dá para começar com pouco dinheiro e apostar no longo prazo, por exemplo. Existe a possibilidade de iniciar devagar e ir crescendo ao longo do tempo, de acordo com os ganhos que vão acontecendo.

Evite alguns erros

Errar buscando informações é normal e precede aqueles equívocos na hora de definir os seus objetivos. Apesar dessa quantidade de informação atualmente, a realidade é que é primordial efetuar um filtro.

Um bom exemplo disso é a Fake News e prejudica muito, porque qualquer pessoa cria um canal e começa a passar informações. Além disso, o nicho de investimento demanda conhecimento, tempo e prática para entender tudo.

Outra questão perigosa é a ansiedade e faz com que muita expectativa seja gerada, prejudicando muito o resultado. Da mesma forma, os iniciantes podem ficar assustados com a quantidade de informações e não prosseguir.

Alguns investimentos possuem riscos e oferecem uma lucratividade maior, fazendo com que as pessoas invistam. Entretanto, existe um ponto perigoso e trata-se de ser pós-fixado ou mesmo sem ter bases fixas.

Investimentos à longo prazo exige conhecimento, pois podem ter muita variação e não é simples interpretar. Com os de curto prazo, a situação é diferente e a oscilação tende a ser menor, auxiliando a iniciar.

 

A porcentagem de investimento mensal varia de pessoa para pessoa

Certamente que algumas pessoas imaginam que é preciso reservar uma parte da renda para investir em algo. No entanto, o cenário muda de pessoa para pessoa e por isso mesmo que não tem uma porcentagem considerada ideal.

O mais importante é ter uma reserva de emergência e que possa ser sacada com rapidez, evitando maiores problemas. No caso do investimento, o restante pode ser usado e sem prejudicar muito as outras obrigações.

Analisar o ambiente macroeconômico é o “segredo”

É preciso saber, antes de mais nada, que não existe uma regra e tudo pode mudar de acordo com a pessoa. Ao mesmo tempo, uma das opções é fazer uma análise Top Down e consiste em analisar uma série de fatores.

O ambiente macroeconômico é um exemplo, porém engloba as perspectivas econômicas e como afetam determinados setores. Além disso, as questões microeconômicas também influenciam, sendo preciso analisar uma a uma.

Invista em pelo menos 10 ativos, e no máximo em 15

A palavra da vez para uma carteira de ações é diversificação e trata-se de um recurso que minimiza riscos específicos de um setor. Por exemplo: imagine investir em empresas de comunicação e todo o setor “quebrar”.

Caso a situação acima acontecesse, o investidor perderia tudo o que investiu e não teria como seguir investindo. Contudo, se existe diversificação, mesmo se um setor tiver perda, existem outros que podem ter ganhos.

Para mitigar riscos e investir corretamente, a realidade é que a diversificação pode ser entendida como a melhor opção. É preciso apenas ter informações sobre os setores e investir sempre de acordo com a sua situação.

O dinheiro aplicado pode ser resgatado

É importante que seja apenas renda variável, porque com os títulos de renda fixa a situação muda de figura. Ou seja, caso não possuam liquidez diária, o dinheiro que for resgatado não será o mesmo e pode até vir a ser menor.

A renda variável, no caso das ações, tem essa nomenclatura devido a não ter uma taxa de retorno definida na data de aquisição. Se for investimentos de renda fixa, até existe uma taxa estabelecida e isso não significa ganhos.

A razão é devido a ocorrer apenas na data de vencimento do título, portanto, é preciso ter uma reserva em ativos. Juntamente com esse fato, é preciso que a base seja uma diária e que não implique em perdas, por exemplo.

Pontos chaves para investir em uma ação

Embora pareça óbvio, a realidade é que alguns investidores não entendem que cada ação tem fatores de risco específicos. Em outras palavras, é preciso, como citado anteriormente, prestar atenção na macroeconomia.

Outra alternativa importante é buscar informações sobre a empresa em questão e muitas empresas colocam no portal RI. Trata-se de um local em que dá para conferir como anda a relação da companhia com os investidores.

Evite o erro de dar um tiro só

Se você está pensando em investir e pensa que será apenas uma vez, mas com grandes lucros, saiba que é um erro. Afinal, quantas pessoas você conhece que optaram por esse caminho e ficaram “ricas” da noite para o dia?

Definitivamente que pouquíssimas e tem um motivo: o mercado financeiro é entendido apenas com tempo. Para ter uma carteira de ações rentável, a dica é ter constância e evitar de querer dar apenas um único tiro.

Crises fazem parte

Nada no planeta é constante e as mudanças são naturais, necessárias e com a economia não é diferente disso. Em outras palavras, não tem como comprar ações e achar que não tem risco de acontecer alguma crise econômica.

No Brasil, como você imagina, a economia não anda bem e por isso é que o principal é estudar o mercado de ações. Todavia, não é preciso ter medo e nem achar que as crises podem ser um mau momento econômico.

Quando você for fazer um investimento, a sua carteira de ações deve ser variada e sempre analisando a situação econômica. Se você perder por um lado, é possível ganhar pelo outro e minimizar os riscos inclusos nisso.

Invista e aprenda na prática

Por fim, preciso falar sobre a importância de iniciar com prudência e acreditar no seu potencial. A realidade é que não adianta se tornar um estudioso e não aprender na prática, porque a teoria só faz sentido se for aplicada.

Inicie aos poucos e sempre procure por ações que você conheça no mercado, analisando o histórico da companhia. Em seguida, fica bem mais simples de ter ganhos e evitar o erro de investir em algo que não é lucrativo.

A carteira de ações é a chave para ter condição de obter uma lucratividade elevada, mas não é tudo. Enfim, dentro dela é que estará a “chave” e o mais importante é que tenha entendido como investir em ações com pouco dinheiro.


Como investir em ações com pouco dinheiro?

É necessário que você tenha uma conta em alguma corretora confiável e que te ofereça todo o suporte adequado. Feito isso, estude sobre investimentos para você poder comprar aquelas ações que mais se adequam ao seu perfil.

Como comprar ações?

Após escolher e abrir uma conta em corretora, será preciso apenas depositar os valores a serem investidos e logo efetuar a compra das ações que deseja.

Como investir em ações?

É preciso escolher e abrir uma conta em uma corretora de valores que se encaixo com o seu perfil. Após isso, basta depositar os valores que deseja investir e depois comprar as ações de sua preferência.

Vale a pena investir na bolsa com pouco dinheiro?

É possível sim investir com pouco dinheiro, no entanto será preciso escolher ações de acordo com seus recursos e objetivos. Ao mesmo tempo, é ideal estudar o máximo para saber qual tipo de investimento é mais adequado para o seu perfil.